Fale com o Torq

Consumidores pós-privacidade esperam os benefícios de um mundo orientado por dados

| Conectividade,

Uma grande parcela de pessoas acredita que na próxima década os problemas de segurança estarão resolvidos e todos receberão as vantagens de permitir o acesso total às suas informações

A 9ª edição do relatório ConsumerLab Hot Consumer Trends da Ericsson, trouxe como um dos seus destaques a percepção dos chamados consumidores pós-privacidade. Eles estão entre as pessoas que esperam que até 2030 a interação entre a tecnologia e os sentidos humanos como visão, audição, paladar, olfato e tato possa gerar uma série de benefícios.

Segundo uma reportagem sobre o assunto publicada pelo portal Convergência Digital, esta interação é conhecida como “Internet dos Sentidos”. Ela será habilitada por tecnologias como Inteligência Artificial (IA), Realidade Virtual (VR), Realidade Aumentada (AR), 5G e automação.

O estudo representa as expectativas e previsões de 46 milhões de early technology adopters (pessoas que começam a usar uma tecnologia assim que ela se torna disponível). Segundo esses participantes, os principais fatores para a Internet dos Sentidos incluem entretenimento imersivo e compras on-line.

De acordo com a matéria, a metade dos entrevistados se assumiram como “consumidores pós-privacidade”. Este grupo espera que os problemas de privacidade sejam totalmente resolvidos para que possam obter com segurança os benefícios de um mundo orientado por dados.

Em suma, os consumidores preveem que, até 2030, as experiências baseadas em telas competirão cada vez mais com as multissensoriais, que serão quase inseparáveis da realidade.

“Estamos falando de uma mudança que define a era da atual conectividade à Internet baseada em smartphones para experiências imersivas resultantes da conexão de nossos sentidos”, afirmou a chefe do Ericsson Consumer & IndustryLab e coautora do relatório, Dra. Pernilla Jonsson.

O Dr. Michael Björn, chefe da Agenda de Pesquisa do Ericsson Consumer & IndustryLab e co-autor do relatório, adicionou: “Muitas vezes imaginamos o futuro como um desenvolvimento linear a partir de hoje. Mas já precisamos considerar quais oportunidades e desafios trarão um mundo onde todos os sentidos humanos serão digitalizados”.

Desta forma, 45% dos consumidores acham que neste período surgirão shoppings digitais, que permitirão a utilização de todos os cinco sentidos ao fazer compras. A mesma proporção de entrevistados afirmou achar possível a criação nos próximos dez anos de um dispositivo para a boca que aprimore digitalmente tudo o que você come, para que qualquer alimento possa ter o sabor da sua comida favorita.

Se todas essas inovações irão realmente acontecer neste período é difícil prever, mas que a questão da privacidade dos dados já começou a ser encaminhada isto não restam dúvidas. Regulações governamentais caminham neste sentido na Europa e no Brasil, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Certamente o uso de dados dos clientes passará por uma transformação nos próximos anos com a aplicação de APIs, Open Banking e outros modelos. Para entender todas essas possibilidades e se preparar o mais rapidamente possível para este futuro, entre em contato com o Torq. Estamos em permanente conexão com os criadores destes cenários e podemos sinalizar o melhor e mais seguro caminho a seguir para chegar lá.