Fale com o Torq

Inovação pode levar bancos a incremento de US$ 500 bi na receita com pagamentos

| Pagamentos,

Apesar da oportunidade, estudos indicam que pelo menos 15% deste volume pode não entrar nos cofres dos bancos em função de soluções instantâneas, invisíveis e gratuitas oferecidas por fintechs e outros concorrentes

Um novo relatório publicado pela Accenture no início de setembro revelou que a receita global de pagamentos provavelmente crescerá a uma taxa anual de 5,5%, passando de US $ 1,5 trilhão em 2019 para mais de US $ 2 trilhões até 2025. Ao se confirmarem essas projeções, essa movimentação financeira representará a oportunidade de os bancos incrementarem suas receitas com a prestação deste tipo de serviço em US$ 500 bilhões nos próximos anos. Apesar da boa notícia, o estudo também faz o alerta de que somente as instituições que estiverem dispostas a mudarem seus modelos de negócios para adotar as mais recentes tecnologias e se concentrar em fornecer maior valor e serviços agregados aos clientes conseguirão capturar suas parcelas deste bolo.

Em comunicado enviado à imprensa e publicado no portal Business Wire, a empresa explica que até 15% da receita global de pagamentos dos bancos, ou cerca de US$ 280 bilhões, provavelmente serão deslocados pelo crescimento dos pagamentos digitais e pela concorrência de não bancos, com os pagamentos se tornando mais instantâneos, invisíveis e gratuitos.

O relatório é baseado em um modelo de análise de risco de receita desenvolvido pela Accenture para medir tendências de como os consumidores pagam e projetam mudanças no comportamento, tecnologia e regulamentação do comerciante. Os resultados são complementados por uma pesquisa feita junto a 240 executivos de pagamentos em bancos de 22 países.

Gareth Wilson, líder global de pagamentos da Accenture, afirma na nota que em vez de estarem na vanguarda da nova onda do crescente mercado de pagamentos, os bancos estão sentindo o calor da nova concorrência e vendo suas margens apertadas.

“Enfrentamos um mundo inevitável de pagamentos instantâneos, invisíveis e gratuitos, o que cria problemas para os bancos, mas também apresenta uma oportunidade de explorar um novo modelo de negócios baseado nesse boom digital,” disse.

O relatório observa que, nos próximos seis anos, os bancos enfrentarão uma pressão adicional sobre as receitas de transações e taxas de cartões, com pagamentos gratuitos colocando em risco 8% da receita dos pagamentos. Além disso, haverá a concorrência de não-bancos em pagamentos invisíveis, nos quais as transações são concluídas em uma ‘carteira virtual’ por meio de um aplicativo ou dispositivo móvel. Essa operação colocará em risco 3,9% das receitas bancárias. O deslocamento do uso do cartão para pagamentos instantâneos, sistema no qual os fundos são liquidados e transferidos em tempo real e os bancos ganham pouco ou nenhum interesse, tem a projeção de colocar um risco adicional de 2,7% das receitas de pagamento.

Essas expectativas se baseiam nos atuais declínios na receita de transações e taxas de cartões, com a regulamentação acionando a compressão de taxas e a tecnologia, substituindo o papel dos bancos nos pagamentos. Já entre 2015 e 2018 a receita das transações com cartão de crédito de clientes comerciais caiu 33% e com cartão de débito caiu quase 15%.

A pesquisa descobriu que o setor está ciente dos desafios colocados pelas novas tecnologias em pagamentos. Mais de dois terços (71%) dos executivos bancários pesquisados ​​concordam que os pagamentos estão se tornando gratuitos; quase três quartos (73%) acreditam que a maioria dos pagamentos já é invisível ou o será nos próximos 12 meses; e ainda mais (78%) disseram que os pagamentos já são instantâneos ou se tornarão instantâneos nos próximos 12 meses.

“O boom digital significará que os bancos precisam mudar fundamentalmente a maneira de pensar sobre sua composição de receita”, disse Alan McIntyre, que lidera a prática bancária da Accenture globalmente.

O Torq acompanha atentamente a transformação que está em curso no mercado de pagamentos e, por aglutinar fintechs, empresas de tecnologia e bancos tradicionais, está em posição estratégica para orientar o desenvolvimento de projetos que vislumbrem o aproveitamento total das oportunidades com serviços instantâneos, invisíveis e gratuitos. Entre em contato.