Carregando

Inteligência de dados vai liderar investimentos bancários nos próximos anos

Pesquisa revela que tecnologias como big data, analytics, inteligência artificial e computação cognitiva serão  prioridades para a maior parte das instituições financeiras brasileiras

A Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019, divulgada pela FEBRABAN recentemente mostrou que mesmo num cenário macroeconômico desafiador, os gastos com tecnologia bancária e principalmente aquelas que tem foco no desenvolvimento de novas funcionalidades em serviços e produtos continuam em alta. O estudo realizado pela Deloitte, indica que em 2018 os investimentos somaram R$ 19,6 bilhões, o que representa um crescimento de 3% em relação ao ano anterior. Desse total, R$ 10 bilhões foram destinados a software.

Os indícios de que a inovação está no topo da lista de preocupações do setor ficaram claros quando os entrevistados foram perguntados sobre os investimentos que consideram prioritários e que já estão previstos para os próximos anos.

Nas respostas, os executivos revelaram que o setor tende a usar cada vez mais a inteligência de dados em suas operações. Uma prova disso é que 80% deles disseram planejar investimentos em big data/analytics. Além disso, 73% informou que destinará recursos para inteligência artificial e computação cognitiva.

A busca por tecnologias inovadoras se justifica pela observação do comportamento do consumidor em relação ao uso dos serviços bancários. Segundo comunicado distribuído à imprensa, o levantamento registrou que 2018 foi marcado por uma verdadeira explosão das contas abertas por meio do mobile banking: foram 2,5 milhões em 2018 ante 1,6 milhão no ano anterior.

O internet banking não fica atrás nesse quesito, já que registrou a abertura de 434 mil contas no ano passado, bem acima das 26 mil, em 2017. Também houve um forte incremento de 60% na contratação de crédito por aplicativos de celular; e os investimentos e aplicações feitas pelo mesmo canal cresceram 36%.

A Pesquisa também aponta que as comunicações feitas digitalmente cresceram de maneira considerável. As interações feitas entre clientes e bancos por web-chat tiveram um crescimento de 364%, e chegaram a 138,3 milhões no ano passado. Já os atendimentos via chatbot passaram de 3 milhões, em 2017, para 80,6 milhões no ano passado, ou seja, aumentaram 2.585%.

Hoje, de cada 10 transações, com ou sem movimentação financeira, 6 são feitas por meios digitais (celular ou computador).

Em 2018, 2,5 bilhões de pagamentos de contas e transferências, incluindo DOC e TED, foram realizados por meio do mobile banking, que, pela primeira vez, superou o internet banking na preferência do brasileiro nessas operações.

Para o Sócio Líder da Deloitte para Serviços Financeiros no Brasil, Sérgio Biagini, a pesquisa mostra que os bancos têm explorado novas tecnologias constantemente, sempre tendo como prioridade oferecer uma experiência melhor, mais rápida e segura para seus clientes.

O desenvolvimento de soluções e modelos de negócios que vão ao encontro desta busca do setor financeiro faz parte do dia-a-dia do Torq. Sua condição de hub independente de inovação proporciona uma visão abrangente das oportunidades e o conhecimento das tecnologias, associado a uma forte experiência na dinâmica do setor ajuda a cortar os caminhos para chegar mais rápido a este objetivo. Entre em contato.