Carregando

Pagamentos instantâneos marcarão a próxima transformação da indústria financeira no Brasil

Bancos e empresas de toda a cadeia produtiva do setor já investem em infraestrutura, tecnologia e discussões técnicas para padronizar e organizar o novo serviço cujos primeiros testes já devem ter início no ano que vem

“Simples como enviar uma mensagem para um amigo por meio de um aplicativo no telefone celular”. Assim a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) definiu como será o sistema nacional de pagamento instantâneo, que está sendo discutido e desenvolvido em um Fórum Executivo Permanente criado pelas áreas de Política Monetária e Administração do Banco Central.  O assunto é tema de capa da edição 80 da revista CIAB FEBRABAN.

Em um comunicado enviado à imprensa, a instituição afirma que em breve os brasileiros poderão enviar e receber dinheiro em até 10 segundos durante 24 horas por dia, sete dias por semana, por meio de um sistema nacional de pagamento instantâneo. Isso em três cliques, no máximo, com uma transação mais rápida do que abrir a bolsa, pegar a carteira e pagar em dinheiro.

Essa realidade ficou ainda mais próxima, após o Banco Central reunir, pela primeira vez, no início de abril, representantes de dois grupos de trabalho formados para discutir negócios (produtos) e requisitos técnicos de funcionamento (segurança, padronização de serviços, redes de conectividade) do sistema brasileiro de pagamento instantâneo.

O fórum tem representantes de prestadores de serviços de meios de pagamento e de serviços de conectividade, usuários finais, associações do setor financeiro e do órgão regulador. Ele vai permitir a construção de um modelo aberto, unificado e Inter operável – ou seja, que permite a comunicação entre diversos sistemas – para pagamentos instantâneos. Esse sistema nacional será gerenciado pelo Bacen e vai permitir, de forma transparente, que usuários de quaisquer serviços e instituições possam enviar valores, uns para os outros.

A cada 45 dias, os grupos técnicos devem se reunir em São Paulo ou Brasília, e as decisões serão levadas para um comitê consultivo, criado para subsidiar o BC na definição de regras para os pagamentos instantâneos, segundo informou o próprio órgão regulador.

Em 2020, as primeiras transações de pagamentos instantâneos devem estar em teste no Brasil. Os envolvidos nessa transformação tecnológica esperam ter o sistema funcionando integralmente em até dois anos, por isso bancos, e instituições financeiras de toda a indústria do setor já se preparam para essa transformação e investem em infraestrutura e tecnologia.

Os pagamentos instantâneos poderão ser utilizados para transferências entre pessoas (transações P2P, person to person) ou entre pessoas e estabelecimentos comerciais (P2B, person to business), seja no ponto de venda, no comércio eletrônico ou no pagamento de uma conta (boleto, crediário).

O dinheiro também poderá ser transferido entre empresas e pessoas físicas (B2P, business to person), como no caso da indenização de uma seguradora a um consumidor; ou ainda entre empresas (B2B, business to business), no pagamento de fornecedores, por exemplo.

Os grupos técnicos avaliam a viabilidade de uso de tecnologias mais eficientes para o envio de recursos, com o uso de QR Code na identificação do destinatário, por exemplo.

O BC prevê que esse sistema esteja apto a operar de forma completa a partir do primeiro semestre de 2021. O Banco Central informou que estudou detalhadamente os modelos de negócio de soluções de pagamento instantâneo já implementados ou em fase de desenvolvimento em diversos países e regiões, como EUA, México, União Europeia, Reino Unido, Suécia, Dinamarca, Itália, Cingapura, Índia, China e Austrália.

No Brasil, um estudo da Accenture mostrou que a transferência instantânea de valores tem potencial para movimentar R$ 48 bilhões e alcançar 3,3 bilhões de transações ao ano.

O Torq acompanha de perto a evolução das discussões sobre o sistema de pagamentos instantâneos brasileiro e está à disposição para auxiliar sua empresa a desenvolver e implantar estratégias para tirar o máximo proveito possível de mais esta inovação. Entre em contato.